top of page
Buscar

LISTAS E LANÇAMENTOS | Vacina e Gasolina



Na segunda-feira, dia 27, a vacina bivalente começou a ser aplicada em idosos com mais de 70 anos em diversos municípios do Brasil. O imunizante tem o objetivo de proteger a população do vírus original, descoberto na China, e também contra a variante Ômicron e suas subvariantes.


E desde quarta-feira, dia 1º de março, o governo voltou a cobrar impostos sobre a gasolina e o etanol. Com a volta dos tributos, a gasolina ficará R$ 0,47 mais cara por litro, e o etanol em R$ 0,02 por litro. Segundo o portal G1, "cálculos realizados pela Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), o preço da gasolina nos postos deve subir cerca de R$ 0,25 por litro.


Abaixo deixo a lista da semana, com livros para todos os públicos e que valem a pena serem lidos:


Queimadas e desmatamentos, poluição de rios e mares, invasão de áreas florestais, aumento contínuo da temperatura global ao mesmo tempo em que catástrofes naturais provocam tragédias como a que vemos agora no litoral norte de São Paulo e em outras regiões do planeta. As mudanças climáticas são o foco do novo livro de Sergio Tulio Caldas, “Terra sob Pressão: A vida e a saúde humana na era do aquecimento global”, publicada pela editora Moderna. O autor utiliza linguagem descomplicada e textos informativos para alertar sobre o avanço do aquecimento global em todo o mundo. Destaca que as mudanças têm adoecido o planeta e podem comprometer, em pouco tempo, a sobrevivência humana e de outras espécies. O livro também relata o drama dos índios Yanomami pressionados pelo garimpo ilegal, já denunciado pelo líder indígena Davi Kopenawa muito antes da grave situação desse povo vir à tona em 2023.

 

O livro é de 2021, mas está aqui devido ter recebido o Prêmio Jabuti de melhor livro de crônicas.

Em “A lua na caixa d’água”, Marcelo Moutinho nos conta histórias de pai e filha, exalta o samba e o saber das ruas e lembra personagens como Dona Ivone Lara e Tia Maria do Jongo. Dedicada a Aldir Blanc, tema do texto que dá lhe título, a obra é também um tributo aos grandes mestres da crônica, como Paulo Mendes Campos, Rubem Braga e Clarice Lispector. “Como um adulto que não se adulterou, Moutinho escreve na encruzilhada em que o escritor encontra o menino de Madureira para que um conte ao outro, nas assombradas horas em que já não há mais o tempo linear, sobre aquilo que, de tão grande, só pode ser exprimível na miudeza de seus desacontecimentos: a vida”, afirma Luiz Antonio Simas na orelha do livro.

 

Aporofobia significa a aversão e discriminação contra pessoas pobres ou desfavorecidas economicamente. E o livro "Rua qualquer, sem número" busca combater esse preconceito. A obra reúne textos baseados em histórias reais retratando vivências de cidadãos em condição de vida na rua e escritos em diferentes estilos literários (miniconto, cordel, poema, rap...), tentando colaborar para retirar a capa da invisibilidade que a sociedade tenta colocar sobre eles.

O autor mergulhou na realidade de seus personagens e os textos retratam o dia a dia de alguns moradores que se tornaram bem conhecidos em São Paulo, como o Raimundo que, durante muitos anos, viveu em uma “ilha” no meio da Avenida Pedroso de Moraes, zona oeste de São Paulo, onde passava o dia escrevendo os seus próprios livros, mas, a maior parte dos textos retrata a realidade de personagens que passam desapercebidos e ignorados pelos olhares da maior parte dos transeuntes de nossas ruas.

 

Em doze ensaios e conferências, incluindo o seu celebrado discurso do Prêmio Nobel, a escritora polonesa Olga Tokarczuk convida o leitor a testemunhar seu processo artístico, compartilha sua visão humana e inconformista acerca das grandes questões do mundo contemporâneo e abre para visita o seu laboratório de leitura e escrita de ficção, revelando, com inaudita franqueza, como foram concebidos seus incomparáveis livros e personagens. Uma celebração da literatura.


 

Autora de uma obra de ficção que já conquistou grandes prêmios e inspirou famosas adaptações para as telas, Margaret Atwood é também respeitada por seus ensaios, artigos e opiniões. Prova disso está em Alvos em movimento, que a editora Rocco lança agora no Brasil. O volume reúne 51 textos de não ficção da canadense, que, escritos entre 1982 e 2004, abordam os mais variados temas.

Estão lá, por exemplo, considerações sobre a difícil relação do homem com a natureza, relatos de uma viagem ao Afeganistão, análises sobre a construção de personagens femininas na literatura e resenhas de clássicos como Os amores difíceis, de Italo Calvino, O general em seu labirinto, de Gabriel García Márquez, e Amada, de Toni Morrison. A obra traz também histórias mais pessoais ― como as que aparecem no texto “Ótimas tias”, em que Atwood revisita momentos vividos em família.


Aproveite o fim de semana e coloque a leitura em dia ou adquira um ou mais exemplares e leia durante a semana! O que acha?


Abraços Literários,


Comentários


bottom of page