top of page
Buscar

Jovem em Destaque | Escritora SAMARA BUCHWEITZ

Na voz de Samara Buchweitz, jovens de todas as idades reconhecem as próprias experiências vividas e as emoções tão difíceis de serem digeridas nessa fase da vida. Com seu título Coisas que Guardei pra Mim, ela evidencia a conexão com um público cada vez maior.


Com apenas 22 anos, a jovem conseguiu expressar em palavras, sentimentos e emoções que todos vivemos, mas que são mais difíceis de lidar quando ainda somos muito jovens. Quem nunca sofreu por amor, se sentiu enganado, abandonado, e quem nunca deu a volta por cima, desenvolvendo amor-próprio e autoexpressão?



Vamos conferir a entrevista da Jovem Em Destaque da semana?


ELIAQUIM BATISTA: Para começar nossa conversa, quero saber por qual motivo escolheu a poesia como gênero literário?

SAMARA BUCHWEITZ: Escrevo desde pequena, comecei para externar meus sentimentos e desde então não parei. Sempre gostei de escrever redação na escola sobre qualquer tema, mas se esse fosse poema, eu sempre tirava as notas mais altas. Assim que passei pela adolescência, comecei a me interessar por poesia, por simplesmente representar tudo aquilo que eu passei e ser de alguma forma uma cura. Atualmente continuo escrevendo como desabafo, mas para que as pessoas sintam o que eu senti, um acolhimento nas palavras.


ELIAQUIM BATISTA: Me fala uma coisa: Quando foi que você decidiu escrever "Coisas que Guardei pra Mim" e quando disse para si: "É hora de publicar!"?

SAMARA BUCHWEITZ: Coisas que Guardei pra Mim foi quase uma catarse, eu comecei a escrever depois de um rompimento amoroso, inclusive para entender o que eu estava sentindo e as transformações que estamos acontecendo dentro de mim. No meio do processo, percebi que aquele material poderia se tornar algo maior, e aí o processo se intensificou. Ainda assim, eu nunca esperava que o livro pudesse tocar tantas pessoas e estar entre os mais vendidos da editora.



ELIAQUIM BATISTA: Qual a principal mensagem que você quer passar através da literatura?

SAMARA BUCHWEITZ: A de que podemos aprender a conviver, e talvez a lidar melhor, com as nossas emoções quando as expressamos. Escrever pode ser um processo de cura, ler as experiências do outro, também. Tudo parece fazer mais sentido quando estendemos que os sentimentos e as emoções seguem um fluxo muito parecido em todo mundo. Somos seres emocionais, afinal. Eu escrevo como forma de externalizar o que eu sinto, para que esse sentimento não fique preso a ponto de formar uma angústia. Mas, depois de “Coisas que guardei pra mim”, recebo mensagens diárias de como meu livro ajuda várias pessoas e comecei a pensar sobre meu propósito de acolhê-las com as minhas palavras e minha experiência.


ELIAQUIM BATISTA: Como é o seu processo de escrita?

SAMARA BUCHWEITZ: O meu processo geralmente é muito espontâneo e sempre vem quando eu menos espero, no meio de um banho ou prestes a dormir por exemplo. Quando eles aparecem preciso escrever imediatamente para depois lapidar. Raramente sento ou me programo para escrever alguma coisa, pois não soa tão natural.


ELIAQUIM BATISTA: Já tem novos projetos no mundo dos livros e na sua vida pessoal?

SAMARA BUCHWEITZ: Estou trabalhando no meu novo livro, que deve ser lançado no começo do próximo ano e vai seguir uma linha ainda mais profunda do que o Coisas que Guardei pra Mim. Também estou entrando na reta final do meu curso de Publicidade e Propaganda, quem sabe ainda consigo unir os dois universos. Me acompanhem, vamos ver o que será!



Samara Buchweitz é escritora desde que se conhece por gente. Cresceu entre livros e autores, na editora de seus pais, e descobriu na escrita a melhor forma de expressão. Aos 21 anos, se firmou na poesia e lançou Coisas que Guardei pra Mim. Com um processo de escrita espontâneo, Samara revela que a poesia surge quando menos espera e se conecta com as experiências de vida. Hoje, ela tem compartilhamentos de partes de seu livro nas mídias sociais todos os dias. Sobre inspiração, ela lembra: “me inspiro muito no Igor Pires, que tem uma história parecida com a minha, de escrever para se sentir melhor e acabar abraçando tantas pessoas. Assim como ele, meu desejo é tocar cada vez mais leitores e ser reconhecida dentro do universo da poesia moderna”.



Siga a Samara Buchweitz no Instagram: @coisasqueguardeipramim

Acesse o site da autora: https://samarabuchweitz.com.br/


Abraços Literários,


Comments


bottom of page