Buscar

Resenha MEMÓRIAS INVENTADAS, de Manoel de Barros e Peça Meu Quintal é Maior do que o Mundo

A consagrada atriz Cássia Kis atua em Meu Quintal é Maior do que o Mundo, da obra de Manoel de Barros, com textos originais do livro Memórias Inventadas



Você já assistiu um filme, ou novela, ou peça e mais recentemente, uma série baseada em um livro? Mas Cássia Kis na peça Meu Quintal é Maior do que o Mundo, o roteiro não é uma adaptação e sim a obra original do poeta Manoel de Barros.


A atriz, o músico Gilberto Rodrigues e o diretor Ulysses Cruz estavam prestes a estrear em 2020, mas devido a pandemia, apenas agora conseguiram marcar a estreia do tão sonhado espetáculo da atriz que é apaixonada pela poesia de Manoel.


No espetáculo, 18 fragmentos do livro Memórias Inventadas são interpretados por uma das mais tradicionais atrizes nacionais como uma homenagem ao autor que escreveu sobre sua própria vida a partir de uma visão infantil.


Logo no início da peça, o espectador se depara com a beleza e grandeza de Cássia, mas em menos de cinco minutos, a visão da mulher some e o personagem, um menino levado que tem entre seus brinquedos, bolas, estilingues e outros, toma conta dos corações de quem assiste a peça e muitas vezes lembramos de momentos da nossa própria infância.


"No quintal a gente gostava de brincar com palavras

mais do que de bicicleta.

Principalmente porque ninguém possuía bicicleta.


[...]


Porque o inseto tem seis letras e o sol só tem três

Logo o inseto é maior. (Aqui entrava a lógica?)

Meu irmão que era estudado falou quê lógica que nada

Isso é um sofisma. Agente boiou no sofisma."

Trecho do poema Brincadeiras, página 26


Tanto na obra quanto na peça, há um diálogo do autor, conosco. O livro inicia com a vocação de Manuel a ser escritor ainda na infância, que de uma forma leve e detalhada, característica marcante do autor, ele diz que desde muito cedo queria ser "escovador de palavras".


O livro é dividido em três partes e em cada uma, o autor busca mostrar sua vida com o olhar de uma criança. Tanto que cada uma delas, leva a palavra "infância" em seu título, sendo: A Infância, A segunda infância e A terceira infância. E originalmente cada uma dessas partes, foi publicada separadamente e a editora Alfaguara uniu os três trabalhos em um único livro.


No poema "O apanhador de desperdícios", consta o verso que dá título a peça e faz parte da primeira parte do livro. Onde o autor tem a visão de sua infância. Nessa parte, é engraçado observar que algumas palavras são muito rebuscadas para uma criança, mas mesmo assim, é possível enxergar a criança nessa parte em especial, mas também em todo o livro.


"Prezo insetos mais que aviões.

Prezo a velocidade

das tartarugas mais que a dos mísseis."

página 25


O conjunto de Manoel de Barros é um tanto quanto rica e um grande presente da nossa literatura, mas Memórias Inventadas é um livro um tanto quanto especial.


"Três personagens me ajudaram a compor estas

memórias, Quero dar ciência delas. Uma, a criança;

dois, os passarinhos; três, os andarilhos."

página 57



A peça de Cássia Kis está em cartaz em São Paulo, no Teatro Vivo e tem apresentações até o dia 27 de março, mas vamos torcer para que uma segunda temporada da peça venha logo logo.


Abraços Literários,